quarta-feira, janeiro 13, 2010

Antes Menina

Cheiro de mato e terra molhada
Capim que corta os braços
Pele suja, impura e suada

Dança das folhas, cinzas de Lua
Fuga imprevista e desordenada
Respira, suspira, ofegante, cansada

O sangue que pinga das mãos
Retrato da alma lavada
Antes menina, agora assassina e estuprada

6 comentários:

  1. O negócio aqui é bom em, parabéns para a galera que escreve aqui, muito bom o blog..
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Uau...
    Muito forte este poema...
    Li com voracidade de quem tem fome de verso,
    e me deparei no final, com o gosto extravagante da realidade miserável.

    Pobre menina.


    Mas, belíssimo poema.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Como consegue isto em tão poucas palavras? Fui do céu ao inferno em três estrofes curtas!!

    Cruel... a realidade é cruel!

    ResponderExcluir