quarta-feira, dezembro 09, 2009

Onde tudo é branco

Meu cotidiano não cicatriza. É corte contínuo que sangra até a morte que vem ao anoitecer. E morre. Morre fácil ao rever o ciclo se repetir a cada maldito nascer do Sol.

Espero as noites em meu ombro, para que as manhãs talvez nunca cheguem. Mas é ato contínuo, cíclico e irritante. É uma bússola maluca que aponta sempre na mesma direção. É agulha de palha que fura o pensamento tão volátil. Inflama, perfura, inunda...

Meu cotidiano não vale o pão do café da manhã, nem o garfo torto do restaurante de quinta. Na quinta, na sexta... É de segunda a segunda que os alfinetes penetram sob as unhas e mancham o tapete da sala com meu sangue suado de sal e cafeína.

Um maldito relógio de pulso, esperando a chuva embaçar o visor.

E as paredes brancas ao meu redor, me lembrando do ciclo claro de minha loucura amarrada nas costas.

Um dia... O Sol podia morrer.

7 comentários:

  1. Uau!
    muito incrível...Que maravilhosa forma de retratar o cotidiano!
    O final, principalmente, me chamou a atenção...
    "...O sol podia morrer."
    e eu acredito que seria terrível, o dia eterno, sem amanhecer...

    Gostei demais.

    abraço.

    ResponderExcluir
  2. Adorei, Cello!

    Continue assim, pois suas palavras me emocionam.

    Beijinhos sombrios!

    ResponderExcluir
  3. MD Amado... Sempre nos proporciona um terror, mesmo quando esse terror não jorra sangue ou nos apresenta monstros e outras entidades absurdas que habitam sua criativa mente...

    MD Amado nos mostra o terror com a simples vontade de matar o sol!!!

    Brilhante!
    £!

    ResponderExcluir
  4. PUTA QUE PARIU!!! Uauuuu.. me sinto bem assim, hoje! Mas nõa conseguiria com estas palavras. VTalvez por não aceitar a realidade do meu cotidiano. PERFEITO!!

    ResponderExcluir
  5. "...O sol podia morrer".

    Ou, num dia qualquer, nascer diferente, quiçá trazendo um pouco mais do que a claridade cega dos raios tristes das cinco da manhã.

    Não é o cotidiano que nos mata, mas a repetição contínua da mesmice das horas, das velhas charadas cujas respostas são sempre os mesmos desalentos passados, tornados presentes futuros, pela incapacidade do tempo de renovar-se.

    Palavras boas, Marcelo. Como sempre, extrapolam as barreiras impostas pelas linhas poucas que lhes servem de morada.

    []'s

    ResponderExcluir
  6. Eita, Eita! Bravo! Bravo!

    Em certos momentos somos escravos de nossa própria rotina, em outros somos donos de acontecimentos inovadores.
    Nada é permanente, mas por vezes parece ser sempre a mesma visão.

    Perfeito!

    ResponderExcluir